Quarta, 12 de Agosto de 2020 23:18
93 991516680
Cidades do Xingu Operação Carranca

Ex-secretário joga celular em vaso sanitário durante ação da PF contra extração ilegal de madeira, no PA; 7 servidores são afastados

Operação Carranca cumpriu mandados em cidades do Pará e Maranhão e desarticulou esquema que envolvia servidores públicos, agentes de segurança e madeireiras.

30/07/2020 15h46 Atualizada há 2 semanas
1.306
Por: Redação Xingu 230 Fonte: G1 Pará
Investigado em esquema de extração ilegal de madeira no PA joga celular em vaso sanitário durante operação da Polícia Federal. — Foto: Reprodução / PF
Investigado em esquema de extração ilegal de madeira no PA joga celular em vaso sanitário durante operação da Polícia Federal. — Foto: Reprodução / PF

A Operação Carranca, deflagrada pela Polícia Federal nesta quarta (29), desarticulou um esquema de extração ilegal de madeira na região da rodovia Transamazônica. A ação cumpriu mandados em Altamira, Brasil Novo, Uruará, Belém e Marabá no Pará, além de Imperatriz no Maranhão.

Segundo a PF, foram cumpridos mandados de busca e apreensão, além de medidas cautelares contra 30 alvos da investigação, suspeitos integrar grupos envolvidos com fraudes em guias florestais e corrupção de servidores públicos, como funcionários de secretarias municipais de Meio Ambiente, policiais rodoviários federais, militares e civis.

Um dos investigados é ex-secretário de Meio Ambiente da prefeitura de Uruará, que jogou o celular em um vaso sanitário para tentar destruir possíveis provas, segundo a PF.

Sete servidores foram afastados e quatro madeireiras tiveram atividades suspensas pela Justiça por suspeita de envolvimento no esquema.

Uma casa de luxo na área central de Altamira foi um dos locais de busca. Outro local foi a casa de um policial rodoviário federal, suspeito de facilitar o transporte de madeira ilegal pela rodovia, fornecendo informações privilegiadas.

O afastamento dos servidores foi determinado pela juiz federal Gilson Vieira Filho. São eles:

  • Valderson Vargens da Silva, policial rodoviário federal
  • Sérgio Roberto Dias Caldeira, policial civil
  • Climi Cleber Pinheiro Soares, policial militar
  • Wesley Storch, secretário municipal de Meio Ambiente e Turismo de Altamira (Semat)
  • Lúcio Francisco de Paula Costa, coordenador da Secretaria de Meio Ambiente da Semat de Altamira
  • Lucas Gomes de Alvarenga Schubert, assessor jurídico da Semat de Altamira
  • Verbena Regina de Sá Brito, assessora jurídica da Semma de Brasil Novo

Investigações

De acordo com as investigações, havia quatro núcleos no esquema:

  1. Madeireiros com grande poder econômico, que financiavam o esquema;
  2. Servidores das secretarias municipais de meio ambiente, além de advogados e engenheiros florestais, que eram encarregados de acobertar os crimes;
  3. Policiais que cobravam de R$150 a R$300 de caminhoneiros para permitir a passagem da madeira ilegal.

As investigações começaram em 2016, identificando 11 crimes no esquema, entre eles falsidade ideológica, corrupção e associação criminosa.

As ações dos grupos criminosos foram monitoradas em todas as etapas do esquema, desde a extração ilegal da madeira em áreas particulares e também em terras públicas da União, serragem, falsificação de documentos, fiscalização, transporte e até a comercialização do produto na região Nordeste do país.

"A gente conseguiu monitorar toda essa atividade criminosa desde a extração até a receptação do comerciante final. Essa questão de abordagem em estrada é uma investigação à parte. A fraude não era só burlar a fiscalização, mas todo o sistema para que tivesse uma origem legal aquele produto que estava sendo comercializado", explica o delegado Marcelo Dutra.

Segundo o delegado de PF, Mário Sérgio Nery, "as investigações continuam com a análise do material apreendido e, se necessário, será feita perícia e extração de dados".

Notas

A PRF informou que está atenta e acompanhando os desdobramentos da operação. Quanto ao suposto envolvimento de um servidor, a instituição disse que "já iniciou procedimento disciplinar para verificar a conduta dele".

As polícias Civil e Militar disseram que não forma notificadas sobre a operação da PF no interior do estado e que "reforça, que quando notificada, adotará as medidas cabíveis".

A Secretaria de Meio Ambiente do Pará (Semas) afirmou que "atua na prevenção e combate aos crimes ambientais no estado, a exemplo da operação 'Amazônia Viva', que está em andamento".

A Semas disse ainda que "não recebeu solicitação de apoio na operação da PF e que, logo, não acompanha judicialmente as investigações" e que "pelas informações obtidas até o momento, os servidores investigados são de secretarias municipais e não teriam relação com a secretaria estadual".

A Prefeitura de Altamira informou que não foi notificada da Operação.

A Prefeitura de Brasil Novo disse que, até o momento, não foi comunicada oficialmente sobre a operação no município, mas disse que "não há registros de servidores da Secretaria de Meio Ambiente envolvidos em condutas ilegais ou suspeitas, nem sendo investigados".

A reportagem tentou contato com a prefeitura de Uruará, mas não obteve retorno.

 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Sobre o município
Altamira - PA
Atualizado às 23h12 - Fonte: Climatempo
28°
Poucas nuvens

Mín. 22° Máx. 34°

30° Sensação
9.8 km/h Vento
62.6% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (13/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 35°

Sol com algumas nuvens
Sexta (14/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 35°

Sol com algumas nuvens
Anúncio
Anúncio
Anúncio